O vapor passivo dos cigarros eletrônicos é prejudicial?

0
2043
O vapor passivo dos cigarros eletrônicos é prejudicial

O cigarro eletrônico é um fenômeno relativamente novo. Os cigarros eletrônicos só estão disponíveis nos EUA, Brasil e na Europa há cerca de uma década, o que significa que não sabemos os efeitos a longo prazo mas já se sabe mais sobre os riscos do vapor do cigarro eletrônico para espectadores. Isso porque existem padrões para medir a “exposição ambiental” (o risco de inalar produtos químicos no ar) que podem ser aplicados ao vapor do cigarro eletrônico. Com base nos padrões do governo para a exposição no local de trabalho a produtos químicos e metais inalatórios, os cientistas podem estimar se os constituintes tóxicos presentes no vapor passivo podem tornar os cigarros eletrônicos prejudiciais aos outros. Neste artigo vamos entender melhor se o vapor passivo dos cigarros eletrônicos é prejudicial.

O que é vapor passivo?

O vapor passivo ou vapor de segunda mão é tecnicamente conhecido como aerossol e é exalado na atmosfera por um cigarro eletrônico. Ele permanece no ar o tempo suficiente para que qualquer pessoa na mesma sala provavelmente inale um pouco do aerossol exalado. Como o nome indica, os espectadores não estão inalando fumaça pois o vapor do cigarro eletrônico simplesmente não é fumaça.

O fumo é um produto da combustão. Queimar qualquer substância com fogo – incluindo madeira, folhas, uma casa ou tabaco – produz gases voláteis, partículas cancerígenas, monóxido de carbono e uma mistura de subprodutos perigosos que na fumaça do cigarro são chamados alcatrão. O fumo passivo não é tão perigoso quanto inalar diretamente de um cigarro, mas a exposição prolongada a ele é considerada um sério risco.

Vapers produzem nuvens de vapor aquecendo e-líquido com um atomizador que abriga uma pequena bobina de metal, que a transforma no vapor que você vê. O vapor de cigarros eletrônicos não tem monóxido de carbono, alcatrão ou gases. Substâncias químicas e metais perigosos são encontrados no vapor, mas em pequenas quantidades. Os níveis de substâncias tóxicas são minúsculos em comparação com os da fumaça, o que significa que os perigos do vapor passivo são ainda menos significativos.

O que tem no vapor passivo?

Além do Propilenoglicol e da Glicerina vegetal, o que os vapores exalam no ar não contém altos níveis de qualquer coisa. Segundo o especialista em toxicologia da Universidade de Drexel, Igor Burstyn, há tão pouca contaminação no vapor exalado que é improvável que exista qualquer risco.

E a respeito da nicotina nos líquidos para cigarro eletrônico, de acordo com um estudo de 2016 da Universidade da Califórnia em São Francisco, 93,8% da nicotina inalada é retida pelo usuário e não faz parte do vapor exalado.

“A nicotina do vapor exalado pode ser depositada em superfícies, mas em níveis tão baixos que não existe um mecanismo plausível pelo qual tais depósitos possam entrar no corpo em doses que causariam danos físicos”, disse o Royal College of Physicians em sua revisão de 2016.

Partículas de vapor, que são líquidas em vez de sólidas como partículas de fumaça, não parecem afetar a qualidade do ar interno. Em um estudo de 2017 da Universidade da Califórnia em San Diego que estudou a qualidade do ar interno de 193 residências familiares de baixa renda, os pesquisadores descobriram que fumar tabaco e maconha, cozinhar e queimar velas afetavam as contagens de partículas nas casas. Mas vaporizar (que aconteceu em 43 das casas) não teve um efeito mensurável.

Mesmo os estudos de vapor passivo sobre o ar em lojas de cigarro eletrônico mostraram que os níveis de tóxicos estão abaixo dos limites de exposição ocupacional. Na verdade, o Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH – uma agência do CDC) descobriu que, mesmo em uma loja onde 13 clientes vaporizam durante o dia, os produtos químicos aromatizantes e formaldeído estavam todos abaixo dos limites mais baixos permitidos. E a nicotina estava praticamente ausente das amostras do NIOSH.

O “fumo passivo” do cigarro eletrônico é perigoso?

Olhando para os estudos sobre cigarro eletrônico mencionados acima e outros, a revisão de 264 páginas da Public Health England sobre as evidências disponíveis de riscos do vapor concluiu que “até o momento não há riscos de saúde identificados de vapor passivo para transeuntes”.

O estudo de Igor Burstyn sobre os perigos do vapor passivo tentou “estimar exposições potenciais a partir de aerossóis produzidos por cigarros eletrônicos e comparar essas exposições potenciais a padrões de exposição ocupacional”. Ele concluiu que “Exposições de espectadores provavelmente são de magnitude menor. Assim, não parece haver preocupação aparente ”.

Ordens de magnitude são múltiplos de 10 – então, 10-100-1.000-10.000 e assim por diante. O que Burstyn quer dizer é que a exposição a produtos químicos tóxicos em vapor passivo é tão pequena que não representa uma ameaça real. Seja qual for o risco para o vaper, é 10 vezes, ou 100 vezes, ou até 1.000 ou 10.000 vezes menor para o espectador.

Isso significa necessariamente que os vapers devem se sentir à vontade para vaporizar em qualquer lugar sem levar em conta os desejos dos outros? Não!

Mesmo que o vapor passivo de cigarros eletrônicos não seja considerada prejudicial para os outros, as preocupações da família e dos amigos precisam ser respeitadas. Claramente, se um residente da casa tiver asma, é melhor evitar usar seu cigarro eletrônico, já que sabemos que o PG e alguns aromas podem irritar as vias aéreas.

E, é claro, as crianças não conseguem fazer uma escolha sobre o que respiram, por isso os vapers devem usar seu melhor julgamento e provavelmente ser mais cautelosos do que com os adultos. Não há estudos de vapor passivo que medem especificamente as funções pulmonares de bebês ou crianças pequenas após a inalação diária. Portanto todo cuidado é pouco!