De que é feito o líquido para cigarro eletrônico?

0
1911
De que é feito o líquido para cigarro eletrônico

De que é feito o líquido para cigarro eletrônico? Essa é uma pergunta que muitas pessoas parecem fazer e felizmente não há nenhum mistério sobre como o e-líquido é produzido. Na verdade, os ingredientes são todos listados no rótulo. Essa é a lei nos países em que o cigarro eletrônico é legalizado, mas fabricantes de e-líquido respeitáveis ​​fazem isso há anos.

Então, é fácil descobrir o que está no seu e-líquido. A maioria são nomes químicos, o que pode parecer intimidante e os ingredientes não dizem muito sobre o que as substâncias realmente são. Isso torna mais fácil para as pessoas criarem histórias assustadoras.

A maioria dos e-líquidos tem quatro ingredientes principais, há alguma variação, mas não muito. Se você souber o básico, poderá identificar rapidamente as diferenças.

Glicerina vegetal

Um e-líquido projetado para atomizadores mais modernos tem principalmente glicerina vegetal ou mais conhecido como VG, pode conter até 80% em volume. Se você quer saber como é que os cigarros eletrônicos passaram de um vapor fino para grandes fumaças brancas é por causa desse ingrediente.

A glicerina é uma substância natural que pode ser processada a partir da maioria dos tipos de gordura. A glicerina usada no e-líquido vem dos óleos vegetais, e é por isso que se chama VG, mas isso não faz muita diferença. Um ponto importante é que, embora seja processado a partir de óleos, não é um óleo. Na verdade, é um álcool, o que torna seguro inalar.

VG é um líquido incolor não tóxico, sem cheiro, mas com um sabor adocicado. É muito espesso e viscoso, o que significa que os líquidos de alta VG não funcionam bem em atomizadores mais antigo.

Muitos produtos contêm VG. É usado na indústria alimentícia como adoçante e também adicionado a alguns alimentos para mantê-los úmidos. Muitos medicamentos contêm também. Os cientistas estudaram isso há anos e nunca foram relacionados a nenhum problema de saúde.

Líquidos com muito VG produzem vapor denso, mas não atingem(kick) muito a garganta.

Propilenoglicol

A maior parte do que não é VG no seu e-líquido é provavelmente propilenoglicol ou PG. Alguns e-líquidos contêm mais PG que VG; estes funcionam melhor em atomizadores mais antigos, porque são menos viscosos.

O PG é um álcool, como o VG, e também é quase inodoro. Tem um leve sabor doce, embora não seja suficiente para ser usado como adoçante; Ele é adicionado aos alimentos, medicamentos e outros produtos para mantê-los úmidos, no entanto.

Um outro uso para PG é em anticongelante, e é por isso que algumas pessoas gostam de falar que o e-líquido contém anticongelante. Na verdade, isso é totalmente errado. O PG é apenas um ingrediente no anticongelante, e está lá porque não é tóxico.

O anticongelante à base de PG é menos prejudicial para crianças e animais de estimação. Vale ressaltar que a água também é um ingrediente no anticongelante; só porque algo é usado em um produto que tem a reputação de ser venenoso, isso não diz nada sobre o quão prejudicial é essa substância.

É verdade que houve alguns pequenos problemas de saúde relacionados ao PG. Ele tem sido estudado desde a década de 1940 e é classificado como geralmente seguro; engolir ou inalar, não fará mal a você. No entanto, uma pequena porcentagem de pessoas é sensível a ele, portanto, se líquidos com alto teor de PG fizerem você não se sentir bem, mude para um com mais VG.

O PG produz menos vapor visível do que o VG, por isso é impopular para quem curte maiores fumaças, mas é apreciado por pessoas que querem vaporizar discretamente. Os sabores são mais acentuados e dá um melhor “kick” na garganta.

Aromatizantes

Uma das melhores coisas na vaporização é a grande variedade de sabores. O líquido não tem muito sabor por si só, por isso é aromatizado com aditivos para alimentos.

Se houver algum problema de saúde no e-líquido isso se deve principalmente aos aromas. Existem alguns ingredientes que são seguros para comer, mas não para inalar – diacetil, por exemplo. No entanto, a indústria fez bem em eliminar os aditivos que não são considerados seguros.

Não use aromas alimentares de supermercado; alguns deles contêm óleos, que são prejudiciais se inalados. Atenha-se aos sabores dos fabricantes de e-líquido, porque estes foram eleitos para a máxima segurança de inalação.

Nicotina

Finalmente, a maioria dos e-líquidos contém nicotina. Isto é o que faz do cigarro eletrônico um substituto eficaz para largar o cigarro tradicional. Você pode satisfazer seus desejos de nicotina sem ter que atear fogo nas folhas de tabaco. A nicotina também dá um bom “kick” na garganta, por isso, se isso for importante para você, tente líquidos com alto teor de nicotina.

Embora receba muita publicidade negativa, a nicotina é, na verdade, uma droga muito segura: é a fumaça dos cigarros que causa danos, não a nicotina. Muito antes de chegar a um nível perigoso, você se sentirá um pouco enjoado, e então terá uma dor de cabeça. Vapers e fumantes geralmente são muito bons em obter o máximo de nicotina que precisam, e não mais.

Uma sugestão é evitar e-líquidos que contenham qualquer coisa além desses quatro ingredientes. Vitaminas, corantes, suplementos como cafeína – estes não fazem nada pela qualidade do seu vapor e, ao contrário dos aromas, não foram selecionados para a segurança da inalação. Mas se você se ater aos ingredientes listados aqui, você pode esperar por uma experiência agradável e de baixo risco.