CBD pode prevenir e tratar o COVID-19

0
266
CBD pode prevenir e tratar o COVID-19

Dois novos estudos sugerem que o CBD pode prevenir e tratar o COVID-19. As descobertas devem levar a um financiamento adicional para pesquisas sobre as propriedades antivirais da cannabis.

O CBD oral purificado impede a replicação do SARS CoV-2 nas células pulmonares

Um estudo publicado na revista Science Advances por pesquisadores da Universidade de Chicago e da Universidade de Louisville descobriu que o CBD impede que o vírus SARS CoV-2 se replique efetivamente em células humanas.

Os pesquisadores também descobriram que os pacientes que tomam CBD prescrito (o medicamento Epidiolex aprovado pela FDA, prescrito para distúrbios convulsivos) eram muito menos propensos a serem infectados com COVID-19, a doença causada pelo coronavírus SARS CoV-2.

Os pesquisadores primeiro levantaram a hipótese de que as propriedades anti-inflamatórias do CBD poderiam ajudar a tratar o estágio de “tempestade de citocinas” do COVID-19, no qual o sistema imunológico do corpo reage exageradamente à presença do vírus e desencadeia níveis perigosos de inflamação.

O que eles descobriram foi ainda mais emocionante: embora o CBD não impeça o vírus de entrar nas células pulmonares, ele impede que o vírus se replique uma vez lá. Experimentos de laboratório em células pulmonares humanas e camundongos confirmaram o efeito. Os pesquisadores também duplicaram o resultado alcançado com a cepa original SARS CoV-2 em três variantes adicionais do coronavírus.

“Só queríamos saber se o CBD afetaria o sistema imunológico”, disse a autora sênior Dra. Marsha Rosner, professora da Universidade de Chicago. “Ninguém em sã consciência jamais pensaria que bloqueava a replicação viral, mas foi o que aconteceu.”

Os autores do estudo dizem que os ensaios clínicos devem ser planejados para estudar se o CBD pode ser prescrito como preventivo para o COVID-19 ou como tratamento para pessoas nos estágios iniciais da doença.

Os pesquisadores usaram altas concentrações de CBD purificado (como encontrado no Epidiolex) e descobriram que o CBD misturado com outros canabinóides como o THC era menos eficaz. Eles alertaram que os produtos de consumo de CBD podem não oferecer a pureza ou a dosagem precisa necessária para produzir os efeitos que seus experimentos alcançaram.

Mas, embora os pesquisadores sugiram que os produtos comerciais de CBD podem não oferecer os mesmos benefícios anti-COVID, as notícias podem, no entanto, revitalizar o mercado de CBD. O CBD tem vários benefícios conhecidos para a saúde – além de tratar o COVID-19 – e geralmente é seguro e legal para uso do consumidor na maioria dos países, inclusive no Brasil com algumas restrições.

Formas ácidas de CBD e CBG bloqueiam a proteína de pico de coronavírus

O estudo da Universidade de Chicago ocorre menos de duas semanas depois que pesquisadores da Oregon State University e da Oregon Health & Science University publicaram um estudo no Journal of Natural Products mostrando que as formas ácidas dos canabinóides CBD e CBG bloqueiam o SARS CoV-2 de entrar nas células humanas.

O ácido canabidiólico (CBD-A) e o ácido canabigerólico (CBG-A) são as formas precursoras desses canabinóides. Eles ocorrem naturalmente em plantas de cânhamo e maconha. Quando aquecidos (descarboxilados), eles se tornam canabidiol (CBD) e canabigerol (CBG), e a maioria de suas propriedades conhecidas é desbloqueada.

Os pesquisadores do estado de Oregon descobriram que as formas ácidas desses compostos se ligam à proteína spike SARS-CoV-2 e interferem na capacidade do vírus de infectar células humanas. “Oralmente biodisponíveis e com um longo histórico de uso humano seguro, esses canabinóides, isolados ou em extratos de cânhamo, têm o potencial de prevenir e tratar a infecção por SARS-CoV-2”, diz o estudo.

“Eles se ligam às proteínas spike para que essas proteínas não possam se ligar à enzima ACE2, que é abundante na membrana externa das células endoteliais dos pulmões e outros órgãos”, disse o coautor do estudo, Dr. Richard van Breemen, pesquisador. com o Centro Global de Inovação em Cânhamo do Estado de Oregon, Faculdade de Farmácia e Instituto Linus Pauling.

“Com o uso generalizado de canabinóides, variantes resistentes de coronavírus ainda podem surgir, mas a combinação de vacinação e tratamento com CBDA/CBGA deve criar um ambiente mais desafiador com o qual o SARS-CoV-2 deve enfrentar, reduzindo a probabilidade de fuga”, disse o pesquisador.